Desabafo:
Antes de começar a ditar alguns procedimentos acredito que algumas palavras sejam necessárias. Este é o primeiro artigo com conteúdo de nosso ambiente virtual, por meio deste novo website.

Desde que interrompemos nossas atividades (numa confusa quarta-feira, dia 18 de março, desse ano que já é histórico por causa da pandemia) uma apatia depressiva tomou conta de mim. Não vejo porque esconder isso pois acredito que seja natural.

Talvez boa parte de vocês tenham sido tocados pela emoção nestes tempos em que "Mordor estende seu olhar flamejante e sem pálpebras sobre a civilização"! Já enfrentei muitas dificuldades nessa jornada, mas de longe este é meu maior desafio. Escrever e desenhar explicando conceitos ou esclarecendo dúvidas não me assusta ou deprime, mas estar longe de meus alunos, a atual circunstância de nossa sociedade e o meio pelo qual o faço, sim! Tentaremos driblar alguns problemas típicos que envolvem a educação por meios digitais, evocando processos e procedimentos que foram anteriormente implementados em sala de aula. Não conseguiria fazer de outra forma.

Indiscutivelmente, a impessoalidade da leitura ou a compreensão do que é lido não irão dispor do filtro do debate "quente", que nada mais é do que compartilhar dúvidas ou perguntar diretamente algo usando a "sua voz"! Estar perto nos integra, educa, principalmente nas artes, mas aceitamos o desafio com humildade.

 Diretrizes básicas:

Inevitavelmente algumas frases são repetidas a exaustão em sala de aula e objetivam estimular a consciência e o fortalecimento sadio da relação entre o estudante de desenho e seu trabalho artístico.

Observem as seguintes orientações:
"Papel jornal SOB o pulso";
"Não utilize a todo instante a limpa-tipos, PLANEJE";
"Não pressione tanto o lápis sobre a folha de papel, seja SENSÍVEL à necessidade", etc.

Agora, a "lista" que segue é mutável, e idem para todo seu conteúdo. Eventualmente serão realizadas atualizações, correções ou edições e essas serão relacionadas logo no início do artigo, caso ocorram.

Por Charles Bargue, professor de desenho do século XIX

Vamos a elas:
01) imaginação - Sem estímulos não há imaginação criativa, logo não há possibilidade para aprender algo novo. Oque isso significa? Significa que não basta ter papel e lápis em um ambiente minimamente adequado, é necessário conteúdo que preencham questões ligadas a produção intelectual de conteúdo, neste caso, artístico (respeitando e utilizando como ferramenta pedagógica as diversas realidades pessoais). O trabalho do artista está intimamente ligado ao trabalho do artesão, do fazedor, do desbravador de cenários... Você precisa botar a mão na massa! Ter acesso a informações ou orientações significa que você está tendo acesso a uma espécie de "catalizador" para revolucionar a inércia, mas sem a sua atitude ou participação ativa nada lhe será útil, e é disso que se trata, entender a utilidade da educação.

02) objetivos - Ideia cronológica de aprendizado. Isso significa que você tem uma longa jornada pela frente, e terá de atravessar alguns obstáculos. Por meio da organização de conteúdo você poderá se desenvolver como real autor de suas atividades artísticas, participando do processo. Você não estará sozinho nesse caminho, você terá a companhia de colegas e professores, muitos dos quais talvez já nem estejam mais aqui conosco. São colegas de outras épocas, culturas ou civilizações. Não falo de períodos artísticos porque isso é sempre discutível.

03) estúdio - Espaço ou ambiente adequado para o trabalho intelectual e manual do artista. "Estúdio" significa lugar para se estudar e por em prática seu aprendizado. Aceitar o compromisso com esse aprendizado deve significar algumas mudanças na sua vida. Não é um chapéu (ou qualquer outro adereço) que você utiliza ao sair de casa, agora é parte de você, não importa onde você esteja. Desenhar com um pedaço de "fórmica" no colo ou sobre a cama ou mesmo em um caderno de desenho na mesinha de centro da sala é um começo, mas como tudo na vida do desenhista deve ser aprimorado. Neste momento você deve ser criativo e crítico para as coisas que funcionam e para as que te prejudicam.

04) atividades - Exercícios funcionais e que atendam as necessidades cronológicas do aprendizado do desenho. Bem, mediante o contato com outros alunos você pode ter uma noção bem clara sobre isso. Sejam os materiais que são diferentes dos que você conhece atualmente, sejam pelos efeitos alcançados pela utilização correta destes materiais. A complexidade dos trabalhos e domínio sobre seus conceitos somente poderão ser alcançados com a paciência e compreensão do aluno. Você é capaz e irá exercer domínio sobre suas intensões artísticas. Ponha em prática, se organize e respeite o conhecimento do professor!

05) análise - Compreender os erros e acertos de seus trabalhos. Aceitar que faz parte de um processo de amadurecimento. No caminho para descobrir a "sua voz" artística, você cometerá alguns erros, se sentirá pequeno diante da sombra da trajetória que se anuncia a sua frente, até finalmente aceitar que todos passam por isso. A arte sempre foi vista como a expressão dos sentimentos, mas é resultado da vontade de condensar conceitos e técnicas para comunicar não somente as emoções. É fruto de uma resposta racional, que por meio do controle da técnica e compreensão sobre os conceitos, comunica e ensina o mundo, expõe uma ideia. Essa é a estrutura da LINGUAGEM. Nesse momento não posso deixar de criticar nossa sociedade (resumidamente) ou as expectativas a respeito das construções sociais e senso comum a que todos nós somos vitimizados. Todos os seres humanos no planeta que viveram em sociedade, precisaram em determinado momento, interromper esse abraço dominador do sistema (ou você é especial ou você é um fracasso) para se aceitarem como humanos em fase de aprimoramento, estudando e aprendendo, criaturas racionais e emocionais dispostos a tentar e acrescentar algo ao legado que receberam.

06) ser observado - Permitir a análise de colegas e professores. Permite a organização de argumentos, o que não quer dizer aceitar passivamente as críticas ou sugestões, esse processo não é "passivo" é muitas vezes doloroso. Para que seja possível construir um novo tipo de arte precisaremos construir uma nova sociedade. O convencimento se faz por meio do compartilhamento de argumentos e através desses, uma analise mais eficiente deve ser alcançada. Metodologia pedagógica de ensino traduz muitas preocupações com a preservação das individualidades e valorizando sempre o trabalho do coletivo e as respectivas faculdades inerente a esses legados. Somos herdeiros de muitos conhecimentos, mas logo outros seguirão seus passos, questionarão suas escolhas e observarão suas impressões. Aceite isso.

Espero sinceramente ter sido útil, de alguma forma, com essas palavras. No caminho tortuoso e ainda misterioso diante de nós, precisamos estar sincronizados para funcionarmos bem, coletivamente.