Temos 135 visitantes e Nenhum membro online

Postura e modo de segurar

Para desenhar bem é necessário relaxar o corpo todo. Devemos observar a grande afinidade entre o desenho e as diversas atividades artísticas como dança ou música. Não é necessário dançar ou tocar algum instrumento musical para desenhar, mas será preciso compreender que a expressão da linha ou da mancha começa no corpo e passa pelo ombro, braço e mão, até a ponta dos dedos.

Se a posição do corpo for correta, bem equilibrada e permitir movimentos livres, isso será refletido no desenho. O oposto também ocorre: o desconforto surge no desenho se os seus movimentos estiverem limitando você de algum modo.

É igualmente importante a maneira de pegar no material. Aqui serão mostrados exemplos, mas não se deve esquecer de que muitas pessoas realizam obras notáveis e impressionantes desenhando com os pés ou segurando o pincel com a boca. Basicamente existem poucas maneiras incorretas de segurar os instrumentos, tudo o mais pode ser considerado correto. Se utilizar cavalete, coloque-o do lado correto: trabalhando com a mão direita, coloque-o à sua direita e olhe para a esquerda, para o objeto; trabalhando com a mão esquerda, coloque-o à sua esquerda e olhe para a direita. É indispensável que haja um espaço livre entre a mão, o corpo e o objeto. Colocar o cavalete do lado errado fará com que seu corpo se curve sobre o braço em ação. Se estiver em um banco ou diante de uma prancheta de desenho inclinada entre o seu colo e uma cadeira, não sente demasiado perto do papel (ou longe demais), pois o movimento da mão entre o papel e o seu corpo pode implicar na distorção do desenho. Também ocorrerá erro de interpretação causado pela perspectiva se o olhar incidir sobre uma superfície excessivamente vertical. O ideal será uma posição que lhe permita olhar o objeto de frente em um plano confortavelmente equilibrado. 

Espaço para trabalhar

As salas de aula podem ser limitadas, mas é conveniente se levantar da cadeira e recuar um passo para ver o trabalho. Tente recuar 1 ou 2 metros para verificar seu progresso, a distância vai lhe permitir notar os erros que não seriam notados de perto. Se você virar seu desenho de lado ou de ponta-cabeça também poderá ver melhor o que pode estar errado. 

 

Posição forçada: Esta fotografia mostra como muitas pessoas seguram um lápis para escrever. Não se pode desenhar deste modo – a mão fica bloqueada e os dedos mal conseguem mover-se. Esta é uma posição que cansa demasiado a mão e cria desenhos pequenos e estrangulados. Perde-se a amplitude do traço.

 

 

Dedos descontraídos: Segure o lápis pela sua metade. Longe da ponta e descontraia os dedos. Apoie a lateral do dedo mínimo na folha de trabalho. Se precisar de apoio extra para desenhar em velocidade estenda o dedo mínimo e o utilize como apoio para escorregar pela folha. Com a mão nessa posição você poderá desenhar livremente e obter movimentos mais amplos.

 

 

Estranheza: Os movimentos habituais da escrita manual insinuam-se por vezes nos desenhos. Para ajudar a evitar isso, adapte um modo diferente e alternativo de segurar o lápis, ou trabalhe com a outra mão. Assim você poderá obter um novo caminho para o seu ato pessoal de desenhar.

 

 

Grande escala: Esta maneira de segurar o lápis é muito útil para desenhar livremente com o braço semi-flexionado e realizar trabalhos de esboço em grande escala. O método é bastante confortável para desenhar traços fluidos e até quando em pé acima da linha da cabeça.

 

 

 

Todas as técnicas

Não existem regras que estabelecem o modo de usar um instrumento de desenho. Desde que dedos, braços e corpo não fiquem limitados, você pode manejar o material do modo que achar mais confortável, conforme o tipo e a extensão do trabalho.

 

 

Gravidade

Lembre-se de que a gravidade afeta o deslizar da tinta. Se erguer um pincel ou uma pena para desenhar acima da mão, o líquido escorrerá para a mão e não para o papel. É possível usar pincéis sobre papel na vertical, mas as penas com tinta exigem superfícies mais niveladas.

 

Previsão de efeitos

Um pincel bem embebido em tina aplicado sobre uma superfície vertical provocará um escorrimento de tinta através do desenho, isso pode inutilizar um desenho, mas se previsto pode ser usado para causar um grande efeito. Técnicas macias: Materiais curtos como pastéis e carvão podem ser segurados com apoio na palma da mão, mas não aperte os dedos ou como se fosse pinçado pelo indicador e polegar com apoio do dedo médio.

Medição

Este é um método simples de estabelecer medidas comparativas para relacionar o tamanho verdadeiro de uma porção para outra. Trata-se de uma ferramenta para auxiliar a observação e o pensamento. Não é complicado ou necessário levar medições para o papel e desenhar rigorosamente do mesmo tamanho que aparece no lápis.

 

1) Estenda o braço. Alinhe o ombro com o cotovelo e o pulso. Se você não esticar o braço direito, suas comparações serão inconsistentes e sem relação entre si. Assuma repetidamente esta posição.

2) Segure o lápis na vertical. Alinhe a parte superior com um ponto do objeto ou imagem que está sendo medido. Feche um olho. Desça a ponta do polegar no lápis até um um segundo ponto escolhido. O comprimento de lápis exposto será a sua medida.

3) Mantenha o lápis na perpendicular. Meça e compare em qualquer ângulo. Faça comparações antes de desenhar. Não será preciso marcá-las todoas no papel; o simples fato de fazê-las já o ajudará a ver as proporções corretamente.

A aferição e comparação de medidas simples revelam verdades surpreendentes sobre as proporções, ajudando-nos a ver mais claramente e a desenhar o que vemos em vez daquilo que conhecemos por experiência. 

 

recomendação de leitura: Desenho - Uma forma prática e inovadora para desenhar o mundo que nos rodeia. Sarah Simblet Editora Ambientes & Costumes ISBN 978-85-61749-11-8